O PROJETO
letras que
flutuam

Com o objetivo de valorizar o trabalho dos artistas conhecidos como ‘abridores de letras’ surgiu o Projeto “Letras que Flutuam”, que mapeia esses profissionais em diversos municípios ribeirinhos, nas regiões de Santarém, Marajó, Belém e Salgado, todos no estado do Pará. Este saber popular vem sendo objeto de estudo da pesquisadora Fernanda Martins desde 2004, quando foi tratado em monografia para a Especialização no Instituto de Ciências da Arte - ICA da Universidade Federal do Pará.

Etapa Belém

Com o intuito de estimular a manutenção dessa atividade tradicional – a pintura dos barcos –, já em vistas de extinção, o projeto também realizou diversas oficinas de abertura de letras. Logo após o final do mapeamento, aconteceram ainda em 2014 oficinas com os jovens dos municípios mapeados. Posteriormente, a realização de oficinas foi mantida em diversas ações culturais em Belém e São Paulo. O resultado do projeto com realização de oficinas foi apresentado na Atypi 2015, a principal conferência internacional de Tipografia, além de outros eventos que tratam da visualidade amazônica.

Em 2016, o projeto foi contemplado pelo Prêmio Seiva da Fundação Cultural do Pará. O Mapinguari design expôs, na Casa das Artes, durante o mês de dezembro, uma mostra de bolsas recicladas, confeccionadas em parceria com as internas da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará - SUSIPE, e pintadas por abridores de letras de barcos.

Em 2015, a Etapa Marajó - segunda fase do projeto - foi contemplada pelo Programa Rumos, do Itaú Cultural.

IMG_6628
IMG_5924
IMG_5305
IMG_4674
IMG_4688
IMG_4919
IMG_4660
IMG_3894
IMG_4326
2014 07 28 - Seu Manoel - Macaco
IMG_1016
IMG_0956
IMG_0905
IMG_0867
IMG_0373
IMG_0148
2014 07 31 - Rubens
2014 07 31 - Foguete
2014 07 31 - Elcio
2014 07 31 - Dirceu
1/2

O primeiro mapeamento dos abridores de letras ocorreu em 2014, em Belém, Barcarena, Abaetetuba e Igarapé-Miri, identificando os artistas por meio de entrevistas, registro fotográfico e audiovisual, com o apoio do Programa Amazônia Cultural, do Ministério da Cultura. Foram mapeados 72 abridores e entrevistados 41 artistas, resultando em um documentário que teve sua estreia na exposição Cidade Gráfica, no dia 19 de novembro, no Itaú Cultural, em São Paulo.

Equipe

Fernanda Martins
Fernanda Martins

Pesquisa e Direção

Samia Batista
Samia Batista

Assistência de Pesquisa

Thiane Neves
Thiane Neves

Assistência de Pesquisa

Vanessa Fagundes
Vanessa Fagundes

Roteiro

Marbo Mendonca
Marbo Mendonca

Produção

Aline Castro
Aline Castro

Assistência de Produção

Marcelo Rodrigues
Marcelo Rodrigues

Direção de Fotografia

Michelli Byanka
Michelli Byanka

Assessoria de Imprensa

Joercio Barbalho
Joercio Barbalho

Edição e Motion Design